Papo com Vinhais

Papo com o caro professor Vinhais no Facebook

José Carlos Vinhais Prezado Mestre, acho que cabe-me sugerir uma reflexão.
Mesmo com a citada queda, PETR3 fechou em R$ 22,23.
Na época do ex-presidente, ela teve um preço médio de apenas R$ 15,00.

Pessoas que não entendem do Mercado de Ações podem ser influenciadas equivocadamente pela postagem.
Proponho que outros argumentos sejam utilizados…


José Carlos Vinhais Em tempo, o valor mínimo histórico da companhia ocorreu em fevereiro de 2016, quando sua ação fechou em impressionantes e ridículos R$ 5,91.
Lembra quem era a presidente ???

Eduardo Prates Olá caro professor José Carlos Vinhais, fico feliz com seu comentário e é uma ótima oportunidade para esclarecermos alguns pontos importantes desta crise, o que não é possível fazê-lo em post tão curtinho. Desculpa a demora da resposta, estou sem carro e cheguei muito tarde em casa depois da aula. Meio sonolento, mas vão aqui alguns comentários ligeiros e fica o convite para um papo depois.

Primeiro faço uma análise bem geral e rápida e depois me alongo um pouco mais, já que a crise tem que ser analisada em uma perspectiva de curto e médio prazo.

Vamos lá,
O primeiro ponto é um dos mais delicados e reflete a falta de responsabilidade com o país em meio aos acordos fechados com o mercado internacional e a disposição do governo atual em dar garantias de dividendos com base no alinhamento à dinâmica de ações ordinárias com altos e rápidos spreds, o que coloca o planejamento da Petrobras pautado em duas âncoras: a primeira, a variação do mercado e o investimento de curto prazo para oxigenar a empresa e a, segunda, disponibilidade de cobrir a fuga de recursos com as reservas e com recursos do tesouro. Aqui, há um desafio grande a ser enfrentando, tanto do ponto de vista ideológico como mercadológico.

Mercado e o canto da sereia

Não nego o mercado, só considero a sua artificialidade e a certeza que ele é determinado e segue a dinâmica de quem domina as regras do jogo e tem a posse da bola. Assim, sabemos que ações estão sujeitas aos ganhos e perdas, porém, não há nada de natural no seu movimento. As recentes crises que afetaram os EUA, a Europa e, também, o Brasil têm mostrado que a raiz de toda crise está associada, menos a má gestão do que, a disposição em maximizar o lucro de agentes que preocupam-se pouco com os efeitos sociais de uma crise de forte impacto econômico. A concentração de renda dos últimos vinte anos evidência que os dividendos são privatizados e os prejuízos socializados, a inversão disto é um pecado capital para muitos que consideram o mercado como um ente (sobre) natural. O movimento de perde e ganha é igual uma roleta russa que está sempre com o cano na cabeça daqueles que se dobram as regras do mercado.

Ordinárias e Preferenciais

Sim, as ações PETR3 vem sendo mais procuradas nos últimos dois anos e, também, são as ações que se movimentam de forma mais rápida. Vão e voltam ao país, toda vez que os gestores garantem que o tesouro vai cobrir os prejuízos. Foi o que aconteceu ao fim do dia, quando o presidente da empresa, os ministros da fazenda e planejamento acenaram aos mercados que dariam cobertura ao movimento e garantiriam a continuidade da politica de mercado da empresa. Podemos conversar como as preferencias estão sendo transformada de curto prazo e o prejuízo contido nesta jogada e que pegou de surpresa muitos investidores que não irão se contentar com dividendos tão próximo. Esta é outra bomba para as próximas semanas.

Agência de Risco

Devemos destacar o papel das – com perdão da palavra – cafetinas do mercado, as agências de risco. Veja bem, a Standard & Poor’s que ficou toda borrada pelo subprimes, ou a bolha imobiliária, norte americana e que paga lá, nos eua, pelos seus “erros”, aqui foi, também e muito, responsável pela queda das ações no governo Dilma e vem dando notas positivas condicionadas a entrega de setores estratégicos do Brasil ao mercado, como a previdência aos bancos, petróleo as petroleiras e o setor de energia e construção para as americanas e chinesas. Toda vez que o Brasil entrega um pedacinho ganha nota azul, ai os investidores vem.

Governo Lula/ Dilma

Na gestão passada, este movimento não ocorreu da mesma forma porque o governo comprou parte das ações tendo como expectativa a subida de preço do petróleo e havia a insegurança divulgada no jornal da manhã, das onze horas, de meio dia e uma hora da tarde, das sete e das onze da noite. Fora, é claro, as entradas especiais com um novo fato contra a empresa e a chamada de madrugada com o resumo do dia anterior e as tragédias do dia seguinte. Não havia como dar seguranças aos investidores com a campanha que fizeram contra a empresa e assim, a volatilidades das ações superava o planejamento, o que fez milhões em fgts ser pulverizado.

Bem, a afirmação inicial do texto acima pode levar, em tese, a uma comparação errônea em relação as ações do governos anterior e do atual governo em dividir os prejuízos da empresa com a sociedade; bem como, a disposição de encobrir erros do planejamento e a dependência da empresa em se submeter a política macroeconômica. Falaremos mais adiante sobre isso.

O segundo ponto, é que o valor de banana que as ações chegaram ao final de 2016 estão associados a três fatores que foram catastróficos para a empresa, mas que, também, se refletiram nas indústrias e na cadeia do petróleo pelo mundo.

3 Pontos da Crise

Tendo a começar pela ordem inversa das análises comuns em relação a combinação destes fatores: O primeiro, a maior campanha de difamação midiática que uma empresa brasileira já sofreu e, talvez, a maior difamação que uma empresa já sofreu no mundo. Se considerarmos todo o mal e todos os escândalos já produzidos e abafados pela ExxonMobil, a Shell, a Chevron e British Petroleum, os casos de corrupção de governos, o lobby em seus países, as guerras que já mataram milhões de jovens na África e Ásia, os governos ditatoriais sustentados pela posição estratégica do petróleo, os vazamentos e acidentes de petróleo e derivados, a espionagem industrial, e os problemas com os outros produtos da cadeia energética onde elas atual, a Petrobras é uma guerreira e sobrevivente ao disputar com as grandes.

Ela não só disputou no mercado mundial, mas tomou lugar de algumas destas empresas. Acho que você lembra que os segredos, estratégias, campos, potencial de exploração e dinâmica de investimentos da empresa estavam nos documentos vazados pelo ex-agente americano e que o interesse de Estado é o interesse das empresas daquele país e de seus sócios.

Este fator nos conduz ao segundo ponto: o planejamento estratégico desenvolvido pela empresa que estava associado a transformação que o país e a própria empresa sofreu ao sair de um valor de mercado de 15 bilhões, em 2002 para mais de 340 bilhões em pouco mais de uma década. Meu caro Professor, acho difícil encontrarmos um caso de tanto sucesso quando olhamos o posicionamento estratégico da empresa associada a política macroeconômica. Com isso não estou dizendo que não houve erros, excessos ou graves problemas de gestão ou mesmo de corrupção. Esta é uma longa conversa e que tem muitas nuances, sobretudo, quando analisamos o nosso caso e comparamos com outras empresas privadas que sofrem dos mesmos problemas.

No entanto, a questão central aqui é que o planejamento e os investimentos da empresa estavam ligados aos fatores externos e internos, com demandas puxadas pela china e com uma forte pressão do mercado de consumo brasileiro, associado a uma política distributiva. Desta forma, os investimentos alimentavam uma cadeia produtiva que incentivava outras cadeias de produção industrial, comercial, financeira e de serviços que se descentralizava pelo país onde as operações da cadeia petroquímica se desenvolvia. Sim. Com certeza ocorreram muitos erros de atrasos de obras, superfaturamento e tantos outros, mas, também, eu lembro, por exemplo, dos nossos alunos invadindo as faculdades, cursos técnicos e procurando formação para o mercado de trabalho.

Orgulho das sandálias Havaianas

Impressionante que vivemos um longo momento de entusiasmo que se espelhava por todo país. Este fator é determinante para entendermos qual o papel de uma indústria do tamanho da Petrobras para a promoção do desenvolvimento do país. Sempre que passo por dentro do campus da ufrj me impressiono com a associação ciência, tecnologia, laboratórios e investimentos e, como ali, me solidifica a certeza que investimentos para desenvolvimento em tecnologia em um país em desenvolvimento só ocorre por empresas estatais, já que empresa estrangeira não vão querer gerar royalties para o seu país. Exemplo, foi o recente setor de defensivos agrícola da Petrobras “doados” as empresas estrangeiras. Eles adoraram receber tantas pesquisas de ponta de mão beijada.

O último fator é que em 2016 o petróleo despencou em nível mundial chegando ao seu valor mais baixo, com $30,00 dólares o barril. A conjugação de fatores que provocaram a queda do valor do barril do petróleo não cabem aqui, mas é importante frisar que provocou prejuízos em todo o mundo e que as empresas de energia que apresentaram lucro não decorreu da cadeia petroquímica.

Java Jato + campanha ostensiva midiática + queda do preço do baril do petróleo + política de investimento impactada pela queda da demanda interna e externa, provocaram o crescimento da dívida e das quedas das ações. Resultado, empresas estatais de outros países e as grandes do petróleo compraram ações, ativos, pré-sal e parte significativa de setores antes estratégicos da empresa.

Governo Temeroso

Por fim, cabe uma análise do cenário mundial atual e de como a política desenvolvida pelo Temer, pelo Pedro Parente – com longo histórico de serviço de vendas de riquezas nacionais a empresas estrangeiras, pelas pastas da fazenda e planejamento ser uma espécie de desmontagem de nosso potencial produtivo, doação de ativos e condenação à miséria de milhares de brasileiros.

Ao contrário de 2016 onde o modelo de aquecimento do mercado estava cansado, quando a china parou de alavancar as commodities e que parte considerável da sociedade brasileira já tinha trocado geladeira, carro, eletrônicos e tantos outros produtos provocando um desaquecimento do mercado; o cenário atual é marcado por uma subida progressiva do preço do barril de petróleo, reaquecimento do mercado europeu e norte-americano. Diversificação dos investimento da china e paulatina subida do mercado oriental. O realinhamento da Rússia em relação ao setor energético impactando nas guerras do oriente médio e na revalorização do petróleo que já chega a mais de $70 o barril. Cenário bem diferente para os caras oferecerem tanto dinheiro aos investidores.

Quanto ao cenário interno e a gestão de nossos ativos acompanhamos a progressiva entrega dos setores estratégico do setor energético. Com sucateamento e “doações” de navios, poços de petróleo, sondas, diminuição do refino e compra de petróleo e derivados como forma de pagamento dos setores transferidos as empresas estrangeiras. Soma-se a este saco de maldades, a política de alinhamento ao mercado internacional, o que garante as empresas que entrarem no país a continuidade da política de preços atrelada a variação da commoditie; mesmo que internamente a inflação seja baixa ou até, quase negativa. Importante notar que é baixa porque estamos em crise. Quer dizer que, mesmo com a economia estagnada e o desemprego seja crescente o preço da gasolina e do diesel e derivados vão subir, já que devemos honrar o suicídio determinado pelo mercado.

Brasil em Perspectivas

Se levarmos em consideração que o mercado internacional está se aquecendo enquanto estamos congelando, o cenário será cada dia mais trágico com ciclos de instabilidade política tão curtos e diários que nos levará a um profundo colapso institucional. Já cresce o número de pessoas que querem abrir mão de sua liberdade para entregar a um governo tirânico qualquer. Sintoma da crise que se arrasta por muito tempo, após um curto período em que o Estado cumpriu duas funções básicas: alocação de serviços com distribuição de rendas. Se levarmos em consideração que tivemos quinhentos anos de transferência de riqueza para as elites, 12 anos de políticas sociais promoveram uma breve revolução… mas este é um outro papo, polêmico e importante de ser realizado.

Desta forma, a diferença que há entre as ações ordinárias, as preferenciais, a gula do mercado, o valor de mercado das ações, o sucateamento da empresa e o futuro dos transportes, bem como da Petrobras estão muito mais ligado ao Fora Temer do que as expectativas psicologias da (ir)racionalidade do mercado com sua roleta russa.

Obrigado pela oportunidade do diálogo

Será um prazer sentar para um café e pensarmos em um seminário ou palestra com diferentes pontos de vista sobre as perspectivas do país. Acho importante levarmos algumas análises para nossos alunos e ajudá-los, e a nós mesmos, na construção de cenários para planejamento de suas vidas, carreiras e cidadania.

 
Meu fraternal abraço.
Tentei, por duas vezes responder no facebook, avisou que meu texto estava em análise. Credito o fato ao nome das empresas envolvidas. Já era duas horas da manhã, tinha que acordar as cinco para trabalhar, postei aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *